Relembrando linhas antigas: 113-Gramame via Mituaçu

Semana passada, esta coluna contou a história da linha 516-Bairro dos Estados. Nesta semana, relembrando linhas antigas, é a vez de relembrar a linha 113-Gramame via Mituaçu. Essa linha era a mais antiga daquele que pode ser um dos maiores bairros de João Pessoa. Quando surgiu, Gramame era praticamente uma zona rural. Hoje é um dos vetores de crescimento de João Pessoa. Respostas essas que o Censo que vai acontecer nesse ano vai responder, afinal os dados de 2010 já não refletem mais a realidade.

Afinal, não sei se você sabe, mas Colinas do Sul, Parque do Sol, Cidade Maravilhosa, Novo Milênio, Gervásio Maia, tudo isso definem conjuntos, loteamentos, comunidades, mas para os mapas da cidade, é tudo Gramame. O nome vem do rio que fica na área e separa fisicamente João Pessoa do município do Conde.

A linha 113 começou a circular ainda na época da antiga Etur. Foi uma das que passou para a Boa Viagem e, desde o início de 2010, é uma das linhas da Santa Maria. Essa linha e várias outras que passavam ali, como 103 e 116, eram raras de passar e pouca gente lembrava da existência delas. Eram geralmente linhas que rodavam com um, dois carros.

A linha não acompanhou a explosão populacional

Em poucos anos, passaram de linhas apenas “protocolares” para linhas rentáveis, e logicamente, a frota delas aumentou, afinal, o sistema precisava responder de alguma forma a explosão populacional, afinal, não dava para conservar a mesma frota e linhas de uma área que estava mudando de maneira acelerada.

A 113 era uma dessas. Ela é a que atendia as áreas mais remotas do bairro, até os limites do rio, passando justamente na lendária Ponte do Rio Gramame – ou Ponte dos Arcos. Ela ia até a comunidade de Mituaçu, que já fica dentro do território do Conde, porém a linha seguiu no sistema municipal – diferente do 112 de Jacumã que foi para o sistema metropolitano, trocando de código para 5301 (hoje é definida pelo código 5105). Aliás, lembra-se que dentro do sistema pessoense tem uma linha “promovida” de sistema (o 522-Renascer, que tem como ponto final o distrito de Cabedelo).

Mas a linha 113 não acompanhou as mudanças que aconteciam no setor da cidade que levava o seu nome. Seguia rodando com poucos carros ou até um, enquanto as demais linhas da área cresceram, foram modificadas e até mudaram de nome. Caso justamente das linhas 103 e 116, que de Toália e Engenho Velho, passaram a adotar os nomes Gramame e Colinas do Sul, respectivamente.

Encurtada até praticamente sumir

De todas as linhas de Gramame, essa era a que menos tinha frequência. Continuava rodando com um carro, até que foi encurtada no início da década de 2010 indo até o Terminal de Integração do Colinas do Sul (onde hoje é o ponto final da linha 101). Só ia para o Centro na primeira viagem, próximo de 6 da manhã.

Posteriormente, foi encurtada mais ainda, partindo do ponto final das linhas do Colinas do Sul – que fica no Colinas do Sul II. Apesar do itinerário constar no aplicativo de previsão de chegada dos ônibus de João Pessoa – o JampaBus -, essa operação, na realidade, é de um veículo da linha 103 em horário específico. Ou seja, a linha 113 não existe na prática, daí estar enquadrada nesta série.

A história de hoje foi com a linha 113-Gramame via Mituaçu. Mas não vai parar por aí. Até porque são muitas outras histórias de linhas extintas de João Pessoa ao longo dos anos – e de décadas até – que tenho para contar. E que rendem boas lembranças de outras épocas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A semana no blog- 26 de junho a 2 de julho Os novos recursos que apareceram no (meu) Instagram A semana no blog- 19 a 25 de junho Como esconder dados de contatos específicos no WhatsApp A semana no blog- 12 a 18 de junho