Porque sua linha demora: edição Viaduto do Cristo

Faz umas três semanas que eu falava do Viaduto do Cristo e do quanto ele deixou várias linhas sem dinâmica nenhuma, principalmente as que saem de bairros da Zona Sul (rumo ao Oeste, jovem, rumo ao Oeste! Pegaram a referência?) para a Epitácio Pessoa. Essa é a estreia de “Porque sua linha demora”, uma coluna dentro da coluna de mobilidade deste blog.

O que acontece é que aquele viaduto é tão malprojetado que toda mudança que se faz lá desconsidera o transporte público, quebrando o itinerário de várias linhas. Cada intervenção só piora: não ajuda nem os carros, pior ainda para os ônibus

Vamos usar três casos aqui: 502-Geisel, 523-Colinas do Sul e 5120-Valentina, que tem que acessar a Hilton Souto Maior só para fazer o retorno para a BR, fazendo ida sem volta. O que torna o itinerário arrudeado é o caminho de ida dos bairros ao corredor, visto que nenhuma delas sobe o Viaduto do Cristo, diferente de outros viadutos parecidos onde você percebe que os ônibus sobem.

Desconsiderei 1510 e 5110 porque esse é o itinerário comum delas. O 502 mesmo é algo que ninguém sabe como arrumar: é o itinerário mais complicado de todos. Vamos entender a partir daquele primeiro post que eu escrevi porque sua linha demora ali próximo.

Quase sincronizado…

Começamos pelo 523. O processo de retorno já foi pior em outros formatos dessa mesma linha – explico no final deste post. Como é uma radial, ainda dá para (tentar) enxergar uma sincronia – garantia de que o passageiro que vai pode contar com a mesma linha para voltar. A volta é objetiva, mas a ida é um pouquinho extensa por conta dos retornos não serem permitidos para veículos pesados – e ônibus é, queira ou não.

Itinerário 523 no José Américo.

Quando chegamos no par de circulares (que na verdade não são circulares e sim abraçantes) 1519 e 5120, você percebe a quebra da sincronia de uma forma nítida. O 1519 tem um atalho para sair da lateral da BR-230 para o girador do Geisel. Mas a linha de itinerário oposto não consegue fazer isso: arrudeio no girador da AeC.

De uma forma mais nítida…

Vai de um lado, volta do outro

E agora a situação mais bizarra de todas: a da linha 502. Ela faz nesse trecho um percurso para ir e outro para voltar. Saindo da Epitácio, vai para o lado do Cristo e faz um retorno que não poderia fazer no girador do Almeidão – poderia usar as alças do viaduto do Geisel. Na volta, vai para o lado do próprio Geisel. Ou seja, quem usa a linha num lado não conta com ela do outro, e quem usa no itinerário completo tem que enfrentar arrudeio e congestionamento.

Linha 502 no final do itinerário.

Extra: o extinto 201

Para você entender um provável fator que explica a antiga 201 não retornar, ele está justamente aí. Com a intervenção mais recente realizada no José Américo, ele teria que fazer um retorno mais longo do Cristo até o Unipê. Antes de sair de circulação, a linha já tinha quebra de sincronia por acessar vias que em teoria não poderia passar, obrigando um passageiro que usou a linha numa via a caminhar para pegar a mesma. Isso se deve também ao fato dos atalhos serem proibidos para veículos pesados.

Ele teria que fazer o mesmo trajeto de acesso das linhas acima. E isso depois de acessar o girador da Ranieri Mazzili só para chegar no viaduto. Fora que um acesso direto havia sido praticamente fechado, obrigando a linha no itinerário da ida a ir para a… Ranieri Mazzili.

Arrodeio puro só para ir para um ponto teoricamente próximo. E o trecho tem uns quatro pontos de congestionamento. Valeria a pena ficar dentro do ônibus e chegar atrasado?

Enquanto não se entender que as intervenções de trânsito precisam conversar com o transporte público, ficaremos sempre na cultura do arrodeio. O Viaduto do Geisel até deixou as linhas que passam lá mais rápidas do que antes. Mas no Viaduto do Cristo isso não acontece, não importa o que se faça lá. E ainda é uma quebradora de itinerários.

Em outras oportunidades, mostro outras “quebras” da engenharia de trânsito que mostram porque sua linha demora, e vão além de ter menos ônibus; é porque a cidade não se dá com os itinerários de transporte público mesmo. E olha que muitas vezes tentaram.

Porque não importa como chegar. É de que maneira chegar. Arrudeando, se chega atrasado. E lá vamos nós rodando em círculos…

2 comentários em “Porque sua linha demora: edição Viaduto do Cristo”

  1. olá , se nao me falha a memoria a linha 502 ja tem muito tempoq faz esse percurso pelos correios , me corrija se estiver errado. qual seria a outra maneira dela retornar para o geisel? fazer o girador da ceasa e passar na frente da prefeitura? como as antigas linhas do colinas?

    1. Olá! O problema não é nem o percurso pelos Correios, são justamente os “balões” sem sentido que ele faz nas saídas dos viadutos e um deles é justamente depois que passa nos Correios, quando vai até o girador do Almeidão tendo a possibilidade de acessar a alça do viaduto, e não sei se restrições existem para isso, porque aparentemente não existem. Mesmo as linhas que saem do Geisel para Cruz das Armas sobem o viaduto para irem até Cruz das Armas, sem necessidade de balão, o 502 não sobe viaduto nenhum para reduzir o tempo de viagem. Da Epitácio para o Geisel eu só ajustaria esse detalhe do Almeidão mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sair dos grupos do WhatsApp sem ser notado? Seria um sonho? A semana no blog- 8 a 14 de maio Como usar as reações em mensagens do WhatsApp A semana no blog- 1 a 7 de maio Novidades em teste no WhatsApp em múltiplos dispositivos