O MAIS BONITO DOS HINOS

Após mais uma daquelas paradinhas de dois dias, aqui estou eu de volta novamente E volto com um assunto de interesse literalmente nacional, no mês em que se comemorou a Independência do Brasil (foi, como todo mundo sabe, em 7 de setembro, e até falei aqui sobre o desfile cívico daqui, que eu assisti).

A bandeira do Brasil. Agora é lei: todos os alunos de escolas, sejam elas públicas ou particulares, vão ter que cantar o Hino Nacional Brasileiro no mínimo uma vez por semana. E, como de costume, sempre em pelotão, geralmente em frente aos mastros das bandeiras. Se bem que certamente seus pais ou avós já cantaram o Hino na época em que eram crianças ou adolescentes. Como os tempos e as gerações mudam muito rápido.

Mas, vai entender, perdeu-se aos poucos a noção de patriotismo. E, como bem disse Kristofer num comentário sobre o desfile de 7 de setembro, teremos ano que vem um patriotismo fora de série com a Copa do Mundo. Parece que nós apenas lembramos de ser patriotas a cada quatro anos. É necessário mesmo lembrar que patriotismo é uma coisa para ser praticada todo dia.

Meu irmão me dizia sempre que a letra do Hino Nacional Brasileiro era a mais bonita  do mundo, sem desmerecer os outros. Mas por qual razão aquele Hino é o Hino  Nacional. Sim, como tudo tem uma história, vamos contá-la de um modo breve. E é bem interessante.

A letra do Hino Nacional foi escrita há 100 anos por Joaquim Osório Duque Estrada (1870-1827) tendo como base uma música de Francisco Manuel da Silva (1795-1865). Ou seja, a letra foi escrita anos depois da composição da música, que foi composta em 1822 como um hino informal da Independência (ainda não era o Brava Gente). E era executado sem letra nenhuma em qualquer evento onde o Imperador estivesse.

Até que depois da Proclamação da República foi realizado um concurso para um novo Hino Nacional, mas nem a população nem o próprio presidente Deodoro gostaram do hino. Só para valer alguma coisa, o hino vencedor virou o Hino da República. Então a instrumental de Francisco Manuel continuou Hino Nacional.

A letra só apareceu em 1909, quando foi realizado um novo concurso, dessa vez para dar uma letra para aquela música. Joaquim Osório Duque Estrada ganhou o concurso, em 1922 o presidente Epitácio Pessoa oficializou, e em 1º de setembro de 1971 o Hino se tornou definitivamente o Hino Nacional Brasileiro.

E justamente porque ele foi escrito em 1909 que tem quem não saiba o que quer dizer determinadas palavras do Hino. Só a título de exemplo, quando o Hino diz:

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heróico o brado retumbante

Quer dizer que das margens calmas do Ipiranga se ouviu um forte grito, traduzindo, o grito de “Independência ou Morte” de Pedro I.

Mas a letra do Hino Nacional que ganhou o concurso de 1909 era bem diferente da que é conhecida, ou seja, sofreu mudanças. Para ver como seria a letra do Hino sem essas mudanças que foram realizadas no início do século passado, clique aqui. Imagine se, no lugar da citação acima, você tivesse que cantar:

Ouviram do Ipiranga as margens placidas
Da Independência o brado retumbante

Meu irmão tem razão: o Hino Nacional Brasileiro é mesmo o mais bonito do mundo. Como ele costuma falar, muito bem construído. Já está nas contracapas dos livros e cadernos de escolas públicas, e agora que é lei, vamos ver se a gente aprendeu direitinho como é que canta, pois tem quem só cante com a letra, pois esquece na hora de memorizar.

Mas o importante é nunca esquecer do orgulho de ser brasileiro, uma coisa que é fundamental lembrar todos os dias, não apenas a cada quatro anos.

Compartilhe este post