Image

Luzes e sombras que mal se escondem

O eclipse solar anular não faz do dia noite, ao contrário do que dizia ontem. Faz de um fim de tarde um começo da manhã, com luzes e sombras que mal se escondem.
, ,

Todo mundo sabia que ontem iria rolar um eclipse solar anular. Por essa razão, esse foi o tema do desenho do #96folhas, que eu fiz no mês passado. Mas faltava apenas presenciar um eclipse solar anular. Mas tá, como é que é um eclipse solar anular? Não é bem um dia virando noite, como disse no post de ontem. Mas luzes e sombras que mal se escondem.

O eclipse solar anular acontece quando, como todo eclipse solar, a Lua se projeta na frente do Sol, mas não o cobrindo totalmente, e sim deixando uma circunferência como se fosse um anel de fogo. Eu me enganei quando disse que aquela tarde teria um aspecto de noite. Tem aspecto de cinco horas da manhã em plenas quatro e meia da tarde.

É tipo assim que fica o céu. Tipo não, é assim mesmo, porque eu registrei o céu nessa hora. Repare que na fotografia eu deixei o horário (e eu vou fazer isso quando for cobertura histórica).

Aspecto do céu em 14 de outubro às 16:30, no andamento do eclipse solar anular.

Depois que eu tirei essa foto, o que eu quis foi andar e sentir como é que é aquilo. Não foi possível registrar esse momento com clareza, mas se percebe pelo reflexo. E essa imagem eu fiz 20 minutos depois da primeira, com outro celular.

Esse é o ápice do eclipse. E como ele é anular, não torna o dia uma noite (coisa que só o eclipse total, que é quando a Lua encobre o Sol praticamente por completo, faz). E sim, como eu disse, o aspecto das cinco horas da manhã em um fim de tarde.

Momento do ápice do eclipse solar anular. Não foi possível registrar o Sol por motivos óbvios, mas o reflexo ficou.

Repare que a rua está escura e até por conta da falta de luminosidade, a luminária do poste acendeu. Para quem não sabe, as luminárias dos postes possuem sensores que acionam as luzes quando o céu escurece.

E bem, esse foi o meu registro desse dia. Que eu quis apenas sentir. E contar para as próximas gerações o que eu vi e que as câmeras não foram capazes de captar. Mais uma história que fica para a história deste site.

E outras histórias incríveis ainda hão de vir.


Receba os posts do site em seu e-mail!

Toda vez que um post for publicado no site, você irá receber na hora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antes de deixar o seu comentário, leia a Política de Comentários do site.

Assine A Luneta

Receba os posts do site em uma newsletter enviada às segundas, quartas e sextas, às 8 da manhã.