BRASIL POLIGLOTA

Para entender melhor essa mistura que é a nossa língua, vamos voltar 500 anos no tempo. O lugar onde um […]
,
Para entender melhor essa mistura que é a nossa língua, vamos voltar 500 anos no tempo.

O lugar onde um dia seria formado (ou melhor, construído) o nosso país era habitado por povos nativos que desenvolveram suas próprias línguas. Assim, quando o colonizador aqui chegou, tentou impor a sua língua aos povos indígenas. Assim, com o tempo, muito do vocabulário das línguas nativas se juntaram ao vocabulário português.

Os portugueses ainda tentaram escravizar os nativos. À procura de mão de obra para os engenhos de cana-de-açúcar e outras atividades econômicas desenvolvidas para sustentar a Colônia e assim alimentar os lucros da metrópole, os portugueses trouxeram da África os negros, que vieram de lá aprisionados para se tornarem escravos na colônia. Os negros trouxeram também as suas línguas nativas, e assim com o tempo, muito do vocabulário das línguas africanas se juntaram ao vocabulário português, que já tinha absorvido as influências das línguas indígenas.

Mais tarde, chegaram vários imigrantes de vários locais do mundo, cada um com seu idioma. E cada um incorporou as suas contribuições a nossa língua. E a evolução não pára: com o advento da Internet, o mundo está a toda hora disponível a toda hora na tela do computador, assim trazendo também suas contribuições ao vocabulário da nossa língua.

Assim, a língua que nós falamos no Brasil incorporou muitas coisas à já conhecida língua portuguesa, criando uma língua própria, retrato da miscigenação dos povos que juntos formam o povo brasileiro.

Exercício de Redação e Expressão Oral feito por mim no segundo período na faculdade, entregue em 13/09/2010.

ATUALIZAÇÃO (30/07 10:44): Publicada originalmente ontem, foi reeditada e recolocada no ar agora. Motivo: sérios problemas técnicos. Tão sérios que bagunçaram o layout do blog por algumas horas.

Receba os posts do site em seu e-mail!

Toda vez que um post for publicado no site, você irá receber na hora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antes de deixar o seu comentário, leia a Política de Comentários do site.

Assine A Luneta

Receba os posts do site em uma newsletter enviada às segundas, quartas e sextas, às 8 da manhã.