NA PONTA DO LÁPIS- PARTE 2

No post anterior desta série, mostrei um breve retrospecto sobre as etiquetas de lápis e canetas que fiz para identificá-las como minhas, e como elas podem-se tornar um ótimo cartão de visitas. E como disse ainda no post anterior, tinha feito um novo lote de etiquetas, já que a maioria delas havia acabado e nesse meio tempo, havia comprado novas canetas.

Novas canetas, mais etiquetas.

Além de renovar o estoque de etiquetas, elas contam com um diferencial: os novos modelos agora já segue a fonte do cabeçalho do blog, com direito a lampadinha.

A nova etiqueta modelo cartão de visita, com novo layout.

As novas etiquetas em comparação com as antigas.

Modelo menor de etiquetas cartão de visita.

As etiquetas menores, que ficam dentro das canetas, agora estão impressas em papel branco. Essas não mudaram nada.

Inclusive, no lote anterior, elas eram impressas em papel amarelo. Não para diferenciar das etiquetas adesivas; é porque, na ocasião da impressão, eu não tinha papel branco. Nem eu, nem o comércio do bairro. Então o jeito foi comprar o que tinha; folhas de papel coloridas, comprei na cor amarela.

Mas agora que não tenho mais papel amarelo, vai no branco mesmo.

As canetas agora possuem etiquetas brancas. Antes elas eram amarelas.

Quantidade disponível de etiquetas para canetas.

E aqui o modelo “plus size”, que tinha relatado no post de fevereiro, mas não tinha feito ainda o registro do mesmo. Vem a ser a capa dos cadernos. A descrição que dei na época era essa:

Faltou apenas o registro do tamanho “plus size”, que não está aqui em foto. É a maior das etiquetas, contendo a inscrição “Pertence a Josivandro Fernandes de Avelar”, endereço do blog, número de telefone, e-mails e endereço do Twitter (twitter.com/josivandro). É muito difícil de perder pelo tamanho, mas fácil de agilizar informações a quem perguntá-las eventualmente.

<

p align=”justify”>Como uma imagem vale mais do que mil palavras, aí vai o registro da etiqueta “plus size”:

Modelo plus size, capa de caderno.

Repetindo algumas palavras do post de fevereiro, onde apresentamos as etiquetas:

E assim, lembre-se que, se você perder a sua caneta, alguém irá achar mais que o dono, irá achar o seu talento. E se alguém pedir emprestada a sua caneta, a pessoa que lhe pediu emprestada a caneta sabe onde lhe encontrar, além de estar próxima a você. E se você for presenteado com uma caneta, terá uma boa lembrança a guardar.

<

p align=”justify”>Essa é a melhor maneira de reforçar a sua identidade, tanto que tem dado certo, e não é para menos que venho fazendo as identificações do material escolar há três anos, desde o ensino médio até a faculdade.

<

p align=”justify”>Pois mais que uma simples identificação dos materiais, é um ótimo cartão de visitas. Um cartão de visitas renovável, que não gasta muito papel, pois no simples ato de emprestar a sua caneta, você já divulga o que quer divulgar. E se a caneta for perdida, fica fácil de achar o dono (pois como disse no post anterior e transcrevi na citação, mais que o dono, irá achar o seu talento).

Explore o potencial que as suas canetas tem. Crie a sua maneira de divulgar o que você quiser. Uma caneta passa de mão em mão, de pessoa para pessoa, transformando assim uma simples caneta numa excelente mídia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Confirmação em duas etapas no WhatsApp Como o Instagram classifica o que você vê O que é o TikTok? Entendendo os algoritmos do Instagram WhatsApp não irá limitar quem não aceitar nova política de privacidade Truques para ativar a função de pagamentos do WhatsApp Como exibir o número de curtidas no seu Instagram WhatsApp libera função de acelerar áudios Storytelling da Luneta Novos recursos de áudio do Facebook E se eu não aceitar os novos termos de uso do WhatsApp? Visualizando o número de curtidas no Instagram