Aquele momento

Começa aquele momento único. Aquele momento em que lembram que o seu bairro existe. Já sabe né…

Aquele momento em que lembram que o mercado público não reformado há quase 40 anos existe. Todo mundo lembra nessa época, mas esquece nos três anos seguintes. E assim continuamos esperando, e enquanto estamos esperando, as coisas só parecem ficar ainda mais piores e mais difíceis.

Aquele momento em que lembram que sair daqui pra resolver um problema no Centro é um parto. E piorou na retomada. Ainda mais quando a frota de ônibus aumenta em todo canto, mas aqui só parece piorar.

Aquele momento em que lembram que a iluminação pública é horrível. Na frente de casa quem ligou pro 0800 do poste fui eu. Moradores, atitude… Você que mora na rua tem tanta responsabilidade quanto em casa! Mas ainda assim, é aquela iluminação capenga? LED? Cadê? Por aqui nos arredores não tem, só em uma parte da principal lá em cima, e olhe lá.

E não para… Porque é sempre a mesma ladainha.

Aquele momento em que lembram que as calçadas do seu bairro são horríveis. Dois dedos lascados meus que o digam. Já deixei minha caixa de curativos reservada. Calçadas acessíveis são mera ficção onde moro. Até para quem não tem dificuldade de andar, tem dificuldade de caminhar por elas.

Aquele momento em que lembram que o asfalto da principal é velho. Tem ruas melhores – mesmo aqui no bairro! Mas as principais estão malcuidadas demais. Cheias de remendos. Mais remendos do que calça de quadrilha junina, e muitas vezes porque falta água, e quando falta água, é por causa de tubulação estourada.

Aquele momento em que lembram que o seu bairro não tem agência da Caixa, do BB (Bradesco já tem). Ah a modernidade… Acho que esqueceram disso. A era do home office e dos bancos digitais praticamente superaram essa necessidade, mas tem gente que ainda não sabe usar.

Aquele momento em que lembram que tem rua faltando calçamento há milênios. Vamos dar um desconto por três ruas. Teve gente que diz que a cidade estava pronta e linda, mas esqueceu dessas mesmas ruas há algum tempo – ora essa, ruas da cidade! Mas o resto…

Quando lembram que o seu bairro existe

E também vamos lembrar que começa aquele momento único que o seu candidato aparece para fazer turismo no seu bairro! Para onde a maioria quase nunca vai quando esse período passa.

32 anos recém-completados de cidade. De morar no mesmo bairro. E de ouvir as mesmas conversas fiadas todo ano. A gente sempre acredita que vai ser diferente. Mas é só esse momento passar que… Você já sabe. Mais quatro anos e voltamos ao mesmo ciclo, de não ter conseguido melhorar.

Ou de nem ter essa intenção por motivos sabe lá quais.

E vamos ver o que esses próximos dois meses nos reservam para o futuro. E que o futuro não seja uma reprise de hoje.

Nascido de uma thread no Twitter e transformado em crônica aqui no blog.

Compartilhe este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *