APRENDA-SE COM UM BARULHO DESSES

Hoje, 5 de junho, é o Dia do Meio Ambiente. E hoje várias reportagens na televisão local aqui em João Pessoa chamaram a atenção para um problema que realmente não é nenhuma novidade, principalmente para quem está todos os dias úteis no Centro da Cidade, que é a poluição sonora. Um dos pontos citados numa pesquisa acadêmica realizada por alunos de um curso do IFEP (o antigo Cefet-PB) é no que diz respeito aos ruídos provocados pelos motores dos carros, ônibus, caminhões, enfim, tudo aquilo que tem motor e funciona a combustível. E um ponto crítico é justamente a área aonde eu estudo, na Getúlio Vargas. Pelo menos lá e em outras ruas movimentadas do Centro os níveis de barulho chegam a 90 dB, quando o limite do tolerável para um ouvido normal é de 65 a 70 dB.

E barulho de motor é o que mais ouço durante as aulas, pois o colégio onde estudo é cercado de ruas movimentadas por todos os lados. De um lado, a super-movimentada Getúlio Vargas, do outro, a razoável Camilo de Holanda, que tem canteiros com árvores, que estão tendo de ser ora replantadas, ora podadas porque estão doentes. Inclusive numa dessas árvores podadas fizeram um “velório”, com direito a velas e coroas de flores. Numa dessas coroas estava escrito “Aqui jaz uma árvore”. E mais adiante temos a Av. dos Tabajaras. Se o barulho da cidade me incomoda? Incomoda, e muito, principalmente num lugar que exige total concentração por ser uma sala de aula. Mas como os meus ouvidos já se acostumaram a tanto…

E, nas ruas do Centro que não são movimentadas, ou melhor, são movimentadas mais por pedestres do que por carros, a poluição também é bem evidente. Isso por causa do barulho de caixas e carros de som.

E, lembrando antes de mais nada, barulhos maiores do que o limite do que é tolerável para um ouvido humano (65 a 70 dB, outros dizem que esse limite é de 85 dB), podem provocar, além de problemas de toda ordem no corpo, surdez parcial ou total, é claro. Portanto, protejam os ouvidos, pois prevenir é sempre importante. Mas será que é possível se prevenir da poluição sonora numa cidade grande, diante da rotina diária das pessoas?

Compartilhe este post