A rua pode esperar

Quase 45 dias em casa. E nesse meio, um mês inteiro de abril sem saber o que é a rua, apenas olhando ela, mas não colocando nem os pés nela. Mas eu preciso fazer isso, preciso estar aqui. E sei que daqui em diante o mundo não será mais o mesmo.

Sem nada para fazer? Nada disso. O que eu puder aprender de coisas novas nesse tempo eu tô aprendendo. Assistir algumas videoaulas, aprender a fazer novos recursos para a Internet, escrever textos como esse. Levar alguma lembrança desses tempos tão turbulentos, que acreditamos que o mundo de ontem já era, ficou para trás. E que eu tô me preparando para esses novos tempos.

Se eu sinto saudade?

Prefiro nem saber como tão as coisas lá fora, porque quero voltar vendo como tudo mudou ao meu redor. Sem tanta ansiedade e acumulando dias e dias para daqui a algum tempo dizer: nossa, como as coisas mudaram! Dar um tempo nas voltas e deixar o tempo agir.

Até lá, a rua pode esperar. Um dia posso voltar. Mas quero estar em segurança para poder ganhar o planeta. Porque primeiro, é o planeta que precisa ganhar essa difícil batalha, que por mais que muitos não acreditem, tá aí, chegando perto e mais perto de nós.

Todo tempo é tempo para aprender e se reinventar. E de estabelecer novas rotinas. O máximo de tempo possível em casa e em segurança. Depois que tudo isso passar a minha rotina está alterada por um bom tempo.

Enquanto isso, me deixem aqui. Quero encontrar um mundo completamente novo quando der as minhas voltas por aí novamente. Sairemos renovados dessa.

E sei que desse dia em diante essas voltas não serão tão frequentes, nem muito menos serão as mesmas.

Não importa o tempo que isso tudo levar. O importante é estar aqui para construir um mundo novo.

Compartilhe este post