LIBERDADE POÉTICA

“No ar o tema Liberdade Poética, aonde apresento versos em forma de poesia que são bolados assim, no momento em que estou escrevendo”. Poderia abrir assim o meu pensamento sobre o poeta que existe em cada um (ou seja, ainda abro espaço para a poesia). Ou seja, de repente lhe vem à cabeça uma filosofia qualquer. Mas, espere aí, isso é uma matéria sobre poesia ou sobre filosofia?
Simples; um amigo meu que conheci esse ano adora brincar de ser poeta. Ainda bem. É bem melhor do que bagunçar. Ainda não lembro das filosofias que ele conta, mas se conseguir, eu lhes trago em uma outra matéria. Ele inaugurou o estilo cômico da poesia, se é que ainda não faltava alguém inventar isso.
E a liberdade poética assim toma conta de corações e mentes, principalmente as mais apaixonadas. Eu mesmo adoraria ter o dom da poesia, mas acho que só o fato de escrever em prosa já me satisfaz. Pronto, uma frase que escrevi sem a pretensão nenhuma de ser filosófica acaba se tornando filosófica. Tudo é ensaio.
Todos nós temos um lado poeta: mesmo que você não goste de poesia, talvez já fez uma em forma de declaração de amor. Eu é que queria ter essa oportunidade de poder fazê-lo, se eu não fosse tão tímido…
Compartilhe este post