CALOR DE LEI

Você, caro leitor, mora como eu na área litorâ esse do Nordeste – mesmo a oito quilômetros da praia – e espera o quê de um mês de dezembro, próximo da estação mais quente do ano? Adivinhou? Sim, é ele quem chegou.

Chegou com aquela sensação térmica de que sim, você está em um forno, numa estufa, numa sauna e em todos os sinônimos possíveis para abafado, quente, qualquer coisa precisa de água e tal. Nem disse o que era, mas você sente só de imaginar.

Pegar a Kombi e curtir o ar livre.

Ele faz a alegria dos vendedores de água do Parque da Lagoa. Que vendem água como água. Faz a alegria dos vendedores de sorvete em qualquer lugar que você vá. É uma sensação que também traz os seus lucros e dividendos, pelo litoral que temos.

E é de lei. Porque estamos no Hemisfério Sul. Se lá em cima é inverno e estamos todos acostumados com a imagética do Papai Noel voando em seu trenó numa paisagem nevada, aqui ele ia sofrer com sua roupa vermelha pesada. Aqui dezembro é quente. É abafado. Se chover é uma consequência.

Não falei o que era essa sensação nesses quatro parágrafos todos. Mas a legenda, o título, a imagem, e principalmente a sensação térmica de hoje, elas todas dizem por si.

Que tá quente. E nem precisa citar por que. Você já sabe do que se trata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

A semana no blog- 26 de junho a 2 de julho Os novos recursos que apareceram no (meu) Instagram A semana no blog- 19 a 25 de junho Como esconder dados de contatos específicos no WhatsApp A semana no blog- 12 a 18 de junho